sábado, 7 de novembro de 2009

Profetas Modernos


Os profetas do Antigo Testamento denunciavam os erros e os enganos do povo e dos reis. De forma criativa eles usavam de imagens e métodos comunicativos para fazer com que sua mensagem fosse ouvida e assimilada. Esses profetas falavam o que Deus dizia para eles falarem, eles tinham em sua boca a palavra de Deus, que muitas vezes dizia coisas como as que Ele disse para o profeta Isaias, “diga para esse povo parar de me adorar, eu não suporto mais essa coisa meia boca que estão fazendo pra mim” (parafraseei um trecho de Is 1.14)



Hoje em dia, nossos profetas possuem outros recursos, como o vídeo acima, Jesus 2000. Na visão deles Jesus é praticamente um super herói, ele faz e acontece.
No blogue Salomon, muitas pessoas criticaram o vídeo dizendo que era uma blasfêmia ou que era um desrespeito com a imagem de Cristo. No entanto eu me pergunto, é um desrespeito ou a voz de Deus pulsando no coração dessas pessoas dizendo “diga para pararem, eu não suporto mais”.
Vejo esse vídeo como uma crítica, para quem sabe, abrirmos nossos olhos e perceber o que temos feito com a imagem do nosso Salvador e Redentor. Por acaso não o transformamos exatamente nesse super-herói? Não é na figura de um Jesus que faz e acontece, com fumaças e sinais explosivos e marqueteiros que muitos apostam seu investimento?


Esse Jesus do vídeo não é o meu Jesus Cristo.


O Jesus Cristo que me salvou é humilde, um cara acima da média com certeza, porém nunca se gabou disso, um homem sem igual, mas que veio para servir e morrer nesta terra que Ele mesmo criou.
Ele me convidou para ser um de seus seguidores, e me chamou para ser como Ele foi quando esteve aqui, habitando nessa terra, e para realizar as mesmas obras que Ele, e nesse caso, para ser servo como Ele foi, para me anular como Ele se anulou e para amar como Ele amou.


@SandroValerius

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Assim como...


“...Assim como o Pai me
enviou, eu os envio”
João 20.21b

No evangelho escrito pelo apóstolo João, encontramos seis vezes a expressão “assim como”, sempre pronunciada por Jesus que compara a nossa missão com a sua missão, pois assim como o Pai o enviou a este mundo, ele nos enviou.

Assim como Jesus se ocupou e se compadeceu por tantos que estavam à sua volta nas cidades próximas, nas vizinhanças e nos vilarejos, nós também devemos estar nos ocupando.
É claro que que nossas comunidades devem se preocupar com os povos ainda não alcançados pelo Evangelho do Reino, e devemos investir em missões, enviar pessoas, recursos e orar por eles, porém, isso não nos isenta de nos voltarmos para o nosso bairro, para a nossa cidade e amá-la, se compadecer dos famintos e perdidos que sofrem e morrem em nossas calçadas.
Assim como Jesus se encarnou e viveu no nosso meio, não querendo para si os atributos divinos, os quais ele tinha, mas antes, fazendo-se homem, falou nossa língua, usou nossas roupas, por amor a nós e para nos alcançar, é tempo de como igreja, nos despirmos da nossa religiosidade e linguagem tão complicada e amar a nossa sociedade como iguais, de estarmos próximos e dispostos a fazer diferença em suas vidas.

Que Deus nos abençoe.


@SandroValerius

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Sozinho, inteiro e feliz

Existem algumas coisas que não gosto de fazer sozinho, como almoçar fora, fazer um lanche, tomar um café, para todas essas coisas gosto de ter companhias. Mas uma coisa que absolutamente nunca fiz sozinho foi ir ao cinema. Poderia fazer uma lista imensa de filmes que assisti e outra das companhias que tive ao vê-los. Quando penso em sair para assistir a um bom filme, encontro alguém a fim de me acompanhar. Já sei pra quem eu ligo se o filme for aventura ou suspense, comédia ou drama. O fato é que nunca gostei da idéia de ir ao cinema sozinho.

Nos evangelhos percebemos que quase sempre Jesus está rodeado de amigos. Jesus Cristo é Deus, Criador, o Alfa e o Omega, mas habitando nessa terra ele não escolheu ser diferente de nenhum de nós, teve as mesmas dificuldades, os mesmos medos e tentações. Ele também teve necessidade de ter amigos. Certa vez quando Jesus passava por um momento de grande aflição chamou Pedro, Tiago e João, seus amigos mais próximos para estarem com ele, para apenas acompanhá-lo. Mas num outro momento, o mesmo Jesus resolve estar distante de todos para ter um tempo sozinho.

A solidão não é um problema em si mesma, todos nós carecemos de um tempo para nós mesmos. Um momento de reflexão, um momento de contemplação.

Como teólogo, ainda em formação, tenho inserido na minha caminhada momentos de solitude, que tem sido uma experiência melhor que a outra, momentos de contemplação, silêncio, meditação, momentos para ouvir Deus. Mas resolvi ir além. Achei que era hora experimentar fazer mais coisas sozinho, tomar um café, dar uma volta no parque, ou encarar o que nunca tinha feito antes, ir ao cinema sozinho.

Estava observando os horários e os filmes, havia tantas opções e somente eu para opinar, então escolhi um desenho animado. O Shopping estava lotado, mas eu havia chegado uma hora antes da sessão. Comprei pipoca, coca-cola, observei as pessoas caminhando, comi pipoca, cumprimentei e troquei algumas palavras com as moças que trabalham no cinema, e comi um pouco mais de pipoca. Quando entrei na sala, olhei para um monte de lugares vagos, e escolhi com certa liberdade onde sentar. Fiquei ali pensando, olhando as pessoas chegando, procurando lugares, comi pipocas, bebi minha coca e deixei o tempo passar.

Quando o filme começou, ri à vontade, olhei as coisas engraçadas que sempre gostei de observar, não tinha ninguém pra incomodar dizendo "você viu?", mas não tinha importância, estava feliz por ter percebido os detalhes, as piadas, cenas, falas, coisas que sempre chamam minha atenção.
Jesus não tinha dificuldade com a solidão, porque ele não dependia das pessoas para saber quem ele era, Jesus tinha certeza da sua identidade. No início do seu ministério, quando foi batizado, ele ouviu do próprio Pai as palavras "você é meu filho amado, em quem tenho todo o prazer".

É muito bom e saudável ter companhia para todas as coisas, e sempre que eu puder, estarei acompanhado, rodeado de amigos. Mas percebi que assim como Jesus, não são minhas companhias que dizem quem eu sou (contrariando o velho ditado), por isso posso ter bons momentos, mesmo sozinho. Seja vendo um bom filme, tomando café, passeando pelo shopping, ou qualquer outra coisa, eu sei exatamente quem eu sou, o filho amado em quem Deus tem todo o prazer.


@SandroValerius

quinta-feira, 21 de maio de 2009

De pai pra filho

“Recordo-me da sua fé não fingida, que primeiro habitou em sua avó Lóide e em sua mãe, Eunice, e estou convencido de que também habita em você” (2 Tm 1.5).

Timóteo foi uma criança que teve diversas influências e lições em sua vida, e para o apóstolo Paulo, uma dessas lições era a fé não fingida. Lições de pai pra filho, no caso de Timóteo de mãe pra filho.Nossa cultura de ensino hoje em dia é muito diferente dos tempos de Timóteo (I Séc. d.C.), boa parte das disciplinas que as escolas de hoje ensinam, antigamente eram aprendidas em casa.

Hoje dependemos muito mais de escolas para aprender. Para saber nadar, tocar violão, matemática, física ou dirigir um automóvel nós vamos para uma escola. É claro que necessitamos de instituições para essas e muitas outras disciplinas, podemos conhecer um pouco, mas não somos expert e não dominamos todas as técnicas pedagógicas, e por isso enviamos nossos filhos para as escolas.


Mas o ensino “de pai pra filho” não deixa
de existir por causa disso.


Nossos filhos pegam seus brinquedos, e começam a nos imitar enquanto brincam. Eles ficam ocupados ao telefone, reclamam sobre o fogão, saem apressados em seu carrinho de roda de borracha, porque somos um espelho para eles. Eles são alunos atentos e aprendem rápido, querem ser exatamente como nós somos.


E da mesma forma que aprendem sobre o nosso trabalho e manias, quando eles percebem nossa comunhão com Deus e com as demais famílias aqui da igreja, quando eles participam das nossas orações e momentos devocionais, quando observam nossa postura em relação aos valores do Reino de Deus, assim como Timóteo, nossos filhos aprendem valores que nenhuma escola no mundo poderia ensinar.


@SandroValerius