sábado, 3 de agosto de 2013

Desculpas


Quem nunca deu uma desculpa?

Como professor ouço um monte delas, em dia de entrega de trabalhos então? São tantas que seria impossível fazer uma lista, mas dá pra lembrar das mais populares como:

• Minha impressora deu pau
• Acabou a tinta da impressora
• Meu computador pegou vírus (clássica)
• Minha internet caiu e meu trabalho estava no e-mail

No fim das contas, estamos falando do velho mau hábito de não reconhecer os erros e encarar a realidade da culpa.

Isso não é de hoje, sabia?

Adão e Eva são pioneiros na arte da desculpa esfarrapada. O livro de Gênesis conta que Deus quando criou esse casal, colocou eles para viverem num resort maravilhoso, eles tinham tudo de bom e do melhor. No entanto, havia uma única regra, não comer do fruto que nascia de uma árvore no centro do jardim. 

Acontece que Eva comeu da tal fruta e deu pro Adão que comeu também!

Quando Deus percebeu que alguma coisa estava errada perguntou “Vocês comeram da fruta?”


O ideal era Adão ter feito uma cara sem graça e ter dito “sim”, como acontece conosco quando somos crianças e brincamos onde não devíamos, ou quebramos um copo, etc. Mas então eis que o marmitão do Adão soltou a desculpa.


Desculpar é tirar a culpa, dar um novo “autor” para a culpa ou dizer “a culpa não é minha” e foi o que Adão tentou fazer, ele apontou o dedo para a Eva e disse “foi ela” e quando Deus olhou pra Eva, ela apontou o dedo para a serpente “oh... foi ela”.

Damos desculpas porque não gostamos de dizer “errei”, damos desculpas porque não gostamos de assumir erros, constantemente precisamos de culpados.

Dizemos à nossa esposa "precisei ficar até mais tarde", porque não gostamos de dizer que estamos priorizando o trabalho. Dizemos que estamos no vermelho, mas não assumimos que não sabemos administrar nossas contas. Dizemos que a prova estava difícil para não dizer "não estudei direito".

O oposto da desculpa é a verdade. Assumir erros, riscos e a culpa.

As pessoas saberão que nos enganamos, vão dizer, vão comentar, mas poderão escolher confiar num vacilão que diz a verdade a um mentiroso que engana todo mundo com suas desculpas esfarrapadas.

Eu prefiro o primeiro caso.

Nota Importante: Preciso lembrar que as consequências da desculpa são mais desastrosas do que as da verdade, meus alunos continuarão sem nota, e ainda contarão com minha antipatia, dizendo a verdade, ficam só com o primeiro problema! ;)


* Para conhecer a história de Adão e Eva, leia Gênesis capítulos 2 e 3

sábado, 23 de março de 2013

O que andam dizendo de você?


Ser cristão as vezes é complicado.

Sempre somos observados de uma maneira diferente.
Não posso contar uma piada...
Se eu fizer um comentário qualquer, logo escuto “Ei.. Você não é crente?”.

A verdade é que muita gente confunde postura engessada com atitudes verdadeiramente cristãs. 

Estava lendo o livro do profeta Daniel e me deparei com uma realidade que me fez pensar sobre esse “modelo de crente” que existe por ai.
Daniel era um alto escalão do reinado do rei Dário. Ele não prestou concurso público e nem mesmo sonhava em ser um diplomata. Mas ele foi levado à força quando jovem e agora servia como um escravo ao rei Dário.

Daniel era conhecido por fazer muito bem aquilo que ele tinha pra fazer, e todos os outros líderes tinham inveja dele, e o rei o admirava.
Outra coisa que sabemos que Daniel fazia e que todos sabiam é que ele tinha um relacionamento transparente com Deus.

Não não.... Se você acha que Daniel usava desenhos gospel no para-choque do carro, está enganado. Ele não ouvia música evangélica e nem mesmo ao falar usava de jargões crentes, daqueles que ninguém entende.

Daniel todos os dias orava pelo menos três vezes e fazia isso de janelas abertas, isso porque nos tempos de Daniel o templo representava a presença de Deus e ele abria a janela para o lado de Jerusalém, onde ficava o templo.

Se fazem piadas, ou comentários maldosos por você ser cristão, não esquenta, isso acontece mesmo, aconteceu até com Daniel.
Mas se existe algo que faz as pessoas saberem que você é cristão, espero que siga o exemplo de Daniel, faça sempre o seu melhor, mesmo que seja um trabalho que você não aprecie muito, faça o melhor que puder sempre. E tenha um relacionamento com Deus, diário, constante e transparente.

Seus amigos não precisam saber que você é cristão porque você diz “glória” e “aleluias” ao final de cada frase, mas porque você simplesmente demonstra nas atitudes mais simples do dia-a-dia que Deus faz parte da sua agenda. Quando você ora pelas pessoas, quando você compartilha o que tem aprendido sobre Deus e o quanto ele tem impactado sua vida através da comunidade cristã ou através da leitura bíblica.
Deus o abençoe

@SandroValerius