terça-feira, 30 de dezembro de 2014

TESTEMUNHO

“Muitos samaritanos daquela cidade passaram a 
ser seus seguidores por causa do testemunho da mulher: 
“Ele sabe tudo a meu respeito, me conhece como ninguém
Evangelho de João 4.39 (A Mensagem)


Acredito que entre muitos cristãos existe um equivoco no entendimento da palavra “Testemunho”. Mesmo equivocados, sei que muitos são usados pela misericórdia de Deus mesmo assim, e que no fundo, querem legitimamente servir a Deus através desse entendimento.

Bom, digo isso porque aprendi inicialmente que testemunho é algo que falo a respeito de Deus para as pessoas, e durante muito tempo fiz apenas isso. Encontrava alguém que nunca tinha visto na vida, na fila do banco, no ônibus, etc., criava coragem, porque temos que ser corajosos, e sem medo, porque não podemos nos envergonhar do evangelho, falávamos para um estranho a cerca das verdades bíblicas. 
Quando a pessoa que eu abordei me ouvia, ele era abençoada, quando não me ouvia, com toda a certeza padeceria no fogo do inferno!

Durante os anos essa ideia foi, graças a Deus, se transformando... A leitura dos evangelhos, a oração e a reflexão a partir das doutrinas bíblicas mudaram minha maneira de entender o testemunho.

O texto que conta sobre a mulher samaritana junto ao poço é um bom exemplo disso. 
Ela sai pelas ruas dando testemunho e contando sobre o que houve, e baseado nessa simples análise fui convencido de que testemunho era apenas isso! 
O que esquecemos de perceber é que essa mulher vivia nessa cidade e todos a conheciam. Quando ela sai falando acerca de Jesus, e não apenas por ser presbiteriano, mas três coisas me deixam fascinado:

1) Ela confessa sobre si mesma diante da cidade, pois quando afirma que Jesus sabe sobre sua vida, ela confirma como é a vida dela. Quem testemunha a cerca de Jesus, confessa que não é perfeito, que é pecador.

2) Ela não fala sobre o que sabe, mas sobre o que experimentou, na versão A Mensagem, Eugene Peterson demonstra isso preservando a ideia original do texto colocando na voz da mulher “me conhece como ninguém”. Ao testemunhar, não basta sermos "conhecedores de Jesus Cristo", mas pessoas que vivem uma experiência com Jesus e contam sobre essa experiência. 

3) Por fim, Jesus não é alguém querido nessa cidade, pois ele é judeu, e samaritanos e judeus não se dão bem, mas por causa do testemunho dessa mulher, o texto nos diz que “Muitos samaritanos daquela cidade passaram a ser seguidores de Jesus Cristo

Tenho certeza de que você conhece muita gente que não se dá bem com Jesus Cristo, mas através do seu testemunho, acredite, muitos podem vir a ser seguidores de Jesus.

Sandro Valérius

sábado, 22 de novembro de 2014

O Engano da Religião

Uma vez ouvi uma história sobre uns jovens que tinham um convite para ir à igreja, mas resolveram sair num barzinho, e pra resumir a história, capotaram o carro e morreram todos.

Trágico, eu sei!

Era só uma história que uma pessoa contou para enfatizar o fato de que, se os jovens estivessem num programa da igreja, estariam salvos, como não era um programa de igreja, não estavam salvos. 

Eu ouvi aquilo contrariado, pois a religião tem uma mania de achar que purifica, torna santo, faz do praticante religioso filho especial com carteirinha VIP de abençoado. 

Para mim, esse pensamento nos afasta cada vez mais de Deus.

O profeta Jeremias que viveu aproximadamente em 600 A.c. trazia para Judá, que era uma parte dividida do povo de Deus, uma mensagem muito terrível.
Jeremias avisava que por causa do pecado deles, eles seriam levados como escravos por outros povos.

O povo de Judá não era muito diferente de mim e de você.
Eles tiveram grandes ideias: decidiram fazer um cultão, tipo “Free house”, começaram a usar camisetas dizendo “Deus te ama”, colocaram adesivos nos carros, começaram a cantar músicas gospel e pararam de beber cerveja. 

A resposta que Deus dá para o povo através do profeta Jeremias foi: 

“Em que negócio estão metidos esses que eu amo, para tramar maneiras de se livrar do castigo? E fazem isso na casa da adoração (no templo)!
Vocês acham que fazer promessas e elaborar programas de religião irão livrá-los da condenação?
Acham que podem se livrar dessa ficando mais religiosos?
Tradução Contemporânea A Mensagem, de Eugene Peterson.

Esse texto é milenar, mas sua verdade continua ecoando, pois não adianta querermos ficar mais bonitinhos pra Deus, fazendo e criando programas religiosos que ocupam nosso tempo, que nos emocionam, se na verdade, lá dentro de nós, não queremos ter uma vida transformada por ele.

Reuniões, momentos de cultos, estudos, louvor é sempre bom, mas não quando todas essas coisas são mecanismos para nos tornar mais aceitáveis para Deus.
A única coisa capaz de nos fazer aceitáveis a Deus é pagarmos um preço justo pelo nosso pecado, pois todos somos pecadores e sem distinção alguma, por outro lado, não temos condições de pagarmos esse preço. Mas a graça e o amor de Deus, levou seu Filho, Jesus Cristo, a pagar esse preço por mim e por você, sem nos exigir exatamente nada em troca.

Por isso, não adianta tentarmos parecer melhores e mais aceitáveis, pois já somos aceitos pela graça e não pelo nosso esforço pessoal. Esse é o engano da religião. 

Como diz Philip Yancey no seu livro "Maravilhosa Graça": 
"Não há nada que você possa fazer para Deus te amar mais, e não há nada que você possa fazer para Deus te amar menos"

Sandro Valérius

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Extraordinário

As vezes nos sentimos sem muitos motivos para gratidão!
Afinal de contas, o que há de novo em nossas histórias? 
Não tivemos uma promoção no trabalho, não ganhamos na loteria, não fomos sorteados na fila do caixa do supermercado, nada de extraordinário aconteceu.

O salmista que escreveu o Salmo 42 não concorda com isso!
(...) o Eterno prometeu me amar durante o dia
e cantar para mim a noite inteira!
Minha vida é um louvor a Deus.
Salmo 42.8 (A Mensagem)


Todos os eventos e ações de um dia parecem ser ordinários, cada centímetro cúbico de ar parece comum e faz parte do dia-a-dia, parece que nem mesmo precisamos de Deus para tê-lo. 
Plantas, Sol, vento, terra, movimento de rotação e translação, nuvens, Lua, estrelas, planetas, atmosfera e gravidade. Tudo parece ordinário.


No entanto, quando Deus criou esse universo tudo fazia parte de um caos e nenhuma dessas coisas estavam em ordem no universo. Deus colocou tudo em ordem apenas com uma palavra, sim ele é poderoso! E até hoje, Deus sustenta seu mandato fazendo com que tudo permaneça em ordem. 

O Sol brilhou hoje?
Extraordinário, ele obedece até hoje a ordenança de Deus.

Você está respirando?
Extraordinário, Deus soprou fôlego em suas narinas e continua sustentando sua vontade, segundo a segundo.

Não se deixe enganar pelos eventos costumeiros de Deus, apenas porque Ele abençoa e derrama sua graça sobre todos diariamente, cada ação dele, continua e eternamente será um ato EXTRAORDINÁRIO de Deus!

Por isso, seja grato!

Sandro Valérius

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Cuide de si mesmo

(...) Jesus, erguendo os olhos em oração, disse:
“Pai, chegou a hora!
Manifesta o glorioso esplendor do teu Filho
Para que o Filho, por sua vez, possa manifestar teu glorioso esplendor. 
Tu o designaste responsável por toda a humanidade
Para que ele possa dar vida real e eterna a todos que lhe deste.
E esta é a vida real e eterna:
Que conheçam a ti,
O único Deus verdadeiro,
E a Jesus Cristo, a quem enviaste.
Eu te glorifiquei na terra,
Ao cumprir até o último detalhe
Tudo que me mandaste fazer.
Agora, Pai, glorifica a mim com teu esplendor,
Aquele esplendor que eu tinha na tua presença
Antes que houvesse mundo”.
Evangelho de João capítulo 17.1-5


Minha esposa fez um curso para comissário de voo e comentando certa vez estava me explicando porque quando as máscaras caem devemos primeiro colocar a máscara em nós mesmos e depois ajudar aos outros. O motivo é praticamente óbvio, se não fizermos isso, não suportaremos a falta de oxigênio e iremos desmaiar, e desmaiado, não podemos ajudar ninguém. Sendo pai, talvez seu impulso seja primeiro tentar socorrer o seu filho, colocando o à frente da sua própria vida, mas por amor ao seu filho, você deve preservar a sua vida, para ter condições de salvá-lo.

Não é um princípio interessante? 

Veja no evangelho de João, capítulo 17 que interessante. 
Jesus ora por si mesmo. Ele vive seus últimos momentos antes do martírio e da crucificação e precisa recarregar suas baterias, precisa de força.

Assim como Jesus precisa cuidar de si mesmo, nossos momentos de oração precisam ter nossas próprias vidas em foco.
Se não cuido da minha saúde espiritual como poderei cuidar da saúde da minha família?
Se não priorizo minha vida espiritual como serei usado para influenciar e abençoar a outros?

Pense nisso!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Lidando com o passado de forma saudável

Cuidado com a Síndrome dos Anos Dourados!

Você sabe o que é a Síndrome dos Anos Dourados? Síndrome é um conjunto de sinais ou sintomas que indicam que algo não está saudável. A Síndrome dos Anos Dourados, no que diz respeito à igreja, é quando as lembranças, o passado, a nostalgia vira doença. É quando acabamos nos alienando do presente e do futuro, e ficamos presos ao passado. 

Igrejas acometidas por esse mau estão sempre olhando pra trás e nunca olhando pra frente. Igrejas que sofrem desse problema estão sempre paralisadas, como se estivessem o tempo todo assistindo um vídeo, um filme de coisas que agora, no presente, são consideradas como ideais, mas que aconteceram no passado. Igrejas assim “perdem o bonde”, param no tempo, deixam de trabalhar no presente com fé e esperança de construir um belo futuro. Igrejas assim foram acometidas pela Síndrome dos Anos Dourados.


Uma frase do falecido ator, Mario Lago, nos dá um bom exemplo de como podemos lidar com o passado de forma saudável e não adoecer com a Síndrome dos Anos Dourados. Ele diz o seguinte: 

“O tempo não comprou passagem de volta. Tenho lembranças e não saudades.”

Precisamos lidar com nosso passado de forma saudável. Lembranças podem até gerar em nós saudade e nostalgia; lembranças devem gerar em nossos corações reflexão, aprendizado, gratidão. Mas não podemos parar no tempo, porque o tempo só tem passagem de ida, ele nunca volta. Precisamos seguir em frente.


Como diz o cantor cristão João Alexandre quando interpreta a música “Feirante”, de seu álbum “É Proibido Pensar”: 

“[...] Firma o passo, segue em frente, 
que essa luta não tem trégua.
Fica na beira da estrada 
quem o fardo não carrega[...]”


Sigamos em frente, sem perder o bonde, sem ficar na beira da estrada, sem ficar presos assistindo ao passado, que já se foi, mas caminhando com fé e perseverança servindo ao Senhor Jesus, trabalhando no presente, construindo o futuro. 

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Dica de leitura: A culpa é das estrelas

No início desse ano eu e minha filha mais velha entramos numa empreitada, a leitura da obra mais conhecida de John Green, “A Culpa é das Estrelas” e recentemente o lançamento do filme no cinema.

O romance tem como tema principal o relacionamento amoroso ente dois adolescentes, Hazel Grace e Augustus Waters, ambos vítimas de câncer.

O enredo não é muito complexo e na verdade, eu até diria que é meio água com açúcar, mas o que mais me impressionou nesse romance foi a forma como John Green nos apresenta pessoas tão reais, vivendo dilemas sérios e complicados, e a simplicidade como as personagens conseguem atravessar seus obstáculos, chegando a transformá-los em piada.

Durante muito tempo, frequentei Comunidades Cristãs com uma forte tendência a não aceitar o improvável, como se Deus tivesse a obrigação de resolver todos os nossos problemas, ele tem que curar, ele tem que libertar, ele tem que fazer, determinam, exigem, e etc. Seu modelo de pessoa agraciada por Deus é a pessoa que não se adoenta, que não tem dificuldades financeiras, que não tem problemas maiores, Deus é um mordomo que resolve tudo.

No entanto, penso que é possível ver mais fé em pessoas como as personagens de John Green, do que podemos perceber em muitos espetáculos religiosos. Em “A culpa é das Estrelas”, as personagens não são milagrosamente curadas, e nem por isso suas vidas são um fracasso. 

Cada minuto de vida é um presente.

Recomendo essa leitura, ou o filme, espero que você se emocione com a história, e também, que possa refletir sobre suas próprias limitações e a maneira como tem encarado cada problema.

Sandro Valérius

ps: assistam ao trailer do filme

terça-feira, 15 de abril de 2014

A Lua de Sangue e o Terrorismo Gospel

O fenômeno lunar
Essa semana começa o que os astrônomos chamam de tétrade, porque serão uma sequência de quatro eclipses lunares. Segundo Gustavo Rojas, astrofísico da Universidade Federal de São Carlos, a cor avermelhada da Lua acontece porque os raios de Sol que iluminam a lua são filtrados pela atmosfera da Terra, passando apenas as cores avermelhadas*.

No filme “Duas Vidas” (The Kid) pela Disney, o bem sucedido Russ, interpretado por Bruce Willis, é interrogado pelo seu “eu” do passado que quer saber por que a lua às vezes fica alaranjada, bem no final do filme quando os créditos estão para subir, explicam o fenômeno.

O fenômeno bíblico
Para muitos religiosos, como o pastor John C. Hagee, se trata de um aviso de Deus para nos lembrar sobre o fim dos tempos, usando uma passagem Bíblica que fala dos últimos dias, como a profecia de Joel 2.31 que diz “O sol se tornará em trevas, e a lua em sangue; antes que venha o grande e terrível dia do Senhor”. Essa profecia com certeza marca o fim dos tempos, e agora fica mais que interessante entender o que significa o “fim dos tempos”.
Quando de fato ele começou?
O apóstolo Pedro cita essa mesma passagem quando fala sobre os acontecimentos dos seus dias, Jesus crucificado e morto, depois ressuscitado e vivo, Jesus subindo entre às nuvens ao céu e por fim, a descida do Espírito Santo durante a celebração de Pentecostes**. Porque ele cita essa profecia do profeta Joel? Porque o fim dos tempos começou justamente quando Jesus subiu ao céu e quando o Espírito Santo desceu sobre os cristãos.
A profecia de Joel se cumpriu no primeiro século, Pedro falava dos seus dias!

O fenômeno “não estudei a Bíblia direito”
Fico preocupado quando maus teólogos, não entendem a Bíblia direito e usam textos como esse de Joel para começar um “terrorismo gospel” dizendo “olhem a lua vermelha, é a lua de sangue, cuidado o fim dos dias está chegando...” e com seu apelo melodramático e apocalíptico provocam lágrimas, desespero e preocupação “é o fim dos tempos, é o fim dos tempos”.

O que determina o “fim dos tempos” não é um evento lunar que aconteceu centenas de vezes nos últimos dois mil anos. Desde que Jesus ressuscitou e subiu aos céus, temos vivido o final dos tempos porque desde então, esperamos a sua volta.

Como diz um trecho da música do Resgate “pra todos os efeitos, eu vivo preparado e em paz, eu to esperando a sua volta”

** Você pode ler mais sobre esses eventos no livro dos Atos dos Apóstolos capítulos 1 e 2.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

O poder educador do "não"

Estava na fila do supermercado, e na minha frente havia um casal com a filha dentro do carrinho, ela devia ter uns cinco anos.

De repente, ela chora pedindo batatinha, e a mãe toda desajeitada, se contorcendo, pede pro pai abrir o pacote, e ele diz “estamos evitando dar porcarias para ela, lembra?”, mas a mãe insiste. Ela continuava a se contorcer, estava escondendo um refrigerante e disse pro marido “lembro, o médico disse para não dar refrigerante pra ela, e não quero que ela veja, se não ela vai querer, então dá logo essa batata pra ela, porque batata o médico não proibiu!”.


O Salmo 127 afirma que “os filhos são a herança do Senhor” e continua dizendo que “são como flechas nas mãos do guerreiro”.

Flechas não dão em árvores, não prontas para o uso. Gosto da metáfora do salmista porque me faz pensar no trabalho que o pai e a mãe deve ter ao longo da vida para transformar seus filhos em boas flechas. Muitas vezes precisamos tencionar a madeira contra sua própria envergadura, para força-la a se endireitar. Se a madeira tivesse vida, choraria de dor, talvez espernearia, daria escândalo. Mas a verdade é que não há outro jeito de se ter uma boa flecha.

No entanto, como professor e pastor, vejo hoje em dia uma geração de mimados que não suportam um “não” porque seus pais tem medo dessa palavra, não endireitam a flecha, preferem se ausentar do problema, escondendo atrás de si, ou trocando de papeis, para que a escola, a babá, o médico, o professor diga os “nãos” que eles precisam para amadurecer.

Problemas! Eles não amadurecem assim! 

Logo será o chefe dizendo “não”, o instrutor da autoescola, depois a polícia, o juiz e o agente da condicional, e assim por diante.

A resposta para os pais que choram querendo um porquê, algumas vezes é simples apesar de raras exceções. 

Porque “não”

Sandro Valérius

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Graça inesperada

Se você já ouviu comentários sobre a Bíblia, já deve ter ouvido alguém dizer “o Antigo Testamento é o livro da Lei e o Novo Testamento é o livro da Graça”.

Essa afirmação é terrível por vários motivos, mas principalmente porque não conhecem a Bíblia.


Nem todo mundo que tem uma opinião
 sobre a Bíblia já leu ela toda.


A verdade é que encontramos muita graça no AT, todas as ações de Deus sempre terminam com graça, foi o que percebi lendo o livro do profeta Ezequiel.

Haviam vários motivos para Ezequiel bradar palavras terríveis contra o povo de Israel, sobre tudo por causa do seu pecado, mas há um momento em que ele diz*  
“Livrem-se de todos os males que vocês cometeram, e busquem um coração novo e um espírito novo. Por que deveriam morrer, ó nação de Israel? Pois não me agrada a morte de ninguém; palavra do Soberano Senhor. Arrependam-se e vivam!” **

Quantas vezes olhamos para Deus achando que ele está com fogo nos olhos pronto para nos queimar vivos, então evitamos contato, evitamos orar, conversar com ele ou até mesmo, ir numa celebração, culto, missa, reunião etc.

Sua Graça é inesperada! 

Mesmo estando errados, mesmo quando somos teimosos, Deus está esperando uma postura positiva, é hora de voltar atrás e começar de novo.

Sempre é tempo de recomeçar

na verdade Deus está dizendo através dele
** essa história está registrada no capítulo 18 do livro de Ezequiel

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Fim das férias, hora de voltar ao trabalho

E não é que o tempo passou rápido?
Lá se foram os dias de dormir até tarde e de pegar o trânsito sem a preocupação de “preciso chegar logo”. Ter um tempo para a família e para si mesmo é muito bom, já escrevi alguns posts lembrando da necessidade do descanso. 
Mas agora, é hora de trabalhar e quando penso em trabalho quase que imediatamente vem à mente a palavra PRODUÇÃO! 
Seja o trabalho que for, sempre pensamos em como produzir, o que fazemos, o que finalizamos, o que conquistamos. É bom olhar, quantificar, calcular, somar, multiplicar, trabalho é produzir! 

Bom, quase isso!

Para muita gente o trabalho é apenas um jeito de ganhar dinheiro, de ganhar mais dinheiro, de dar vida boa para a família. Não que o trabalho não tenha em sua prerrogativa o ganho financeiro, gerar renda, conforto, mas não é apenas isso. 

O livro de Atos* comenta discretamente (cinco versículos apenas) sobre a vida de uma mulher chamada Dorcas. É curioso notar como o seu trabalho é reconhecido. Quando Lucas** escreve sobre ela ele diz “se dedicava a praticar boas obras e dar esmolas”, e quando as pessoas que eram ajudadas por ela aparecem no texto bíblico, elas estão mostrando “os vestidos e outras roupas” que haviam ganhado dela. 
Dorcas parece não ser o tipo de pessoa que trabalha pensando em si mesma, ela sabia costurar e provavelmente esse era o seu trabalho, mas Lucas não diz “costureira” ele diz “que se dedicava a praticar boas obras”

Essa é a diferença entre se ter um trabalho e se ter uma vocação. 

Como trabalho você pode ser um professor, mas como vocação pode ser alguém que enquanto professor motiva jovens a se dedicar mais a seus estudos e menos às distrações que atrapalharão seu futuro. 
Você pode ser médico, mas enquanto médico alguém que influencia outros da sua área a serem mais humanos no cuidado com os doentes, principalmente no serviço público de saúde.
Pode ser um faxineiro, mas enquanto faxineiro alguém que cuida com zelo dos espaços que limpa, tornando-os mais agradáveis e acolhedores. 

Seja qual for a sua profissão, sempre haverá espaço para exercer uma vocação. Dorcas é lembrada pela sua vocação e não pela maneira como ela ganhava o seu sustento.
E você? Como quer ser lembrado? 

* Você pode ser sobre a história de Dorcas no livro de Atos capítulo 9 entre os versículos 36 e 42
** São Lucas é o autor do livro que narra os Atos dos Apóstolos