sábado, 22 de novembro de 2014

O Engano da Religião

Uma vez ouvi uma história sobre uns jovens que tinham um convite para ir à igreja, mas resolveram sair num barzinho, e pra resumir a história, capotaram o carro e morreram todos.

Trágico, eu sei!

Era só uma história que uma pessoa contou para enfatizar o fato de que, se os jovens estivessem num programa da igreja, estariam salvos, como não era um programa de igreja, não estavam salvos. 

Eu ouvi aquilo contrariado, pois a religião tem uma mania de achar que purifica, torna santo, faz do praticante religioso filho especial com carteirinha VIP de abençoado. 

Para mim, esse pensamento nos afasta cada vez mais de Deus.

O profeta Jeremias que viveu aproximadamente em 600 A.c. trazia para Judá, que era uma parte dividida do povo de Deus, uma mensagem muito terrível.
Jeremias avisava que por causa do pecado deles, eles seriam levados como escravos por outros povos.

O povo de Judá não era muito diferente de mim e de você.
Eles tiveram grandes ideias: decidiram fazer um cultão, tipo “Free house”, começaram a usar camisetas dizendo “Deus te ama”, colocaram adesivos nos carros, começaram a cantar músicas gospel e pararam de beber cerveja. 

A resposta que Deus dá para o povo através do profeta Jeremias foi: 

“Em que negócio estão metidos esses que eu amo, para tramar maneiras de se livrar do castigo? E fazem isso na casa da adoração (no templo)!
Vocês acham que fazer promessas e elaborar programas de religião irão livrá-los da condenação?
Acham que podem se livrar dessa ficando mais religiosos?
Tradução Contemporânea A Mensagem, de Eugene Peterson.

Esse texto é milenar, mas sua verdade continua ecoando, pois não adianta querermos ficar mais bonitinhos pra Deus, fazendo e criando programas religiosos que ocupam nosso tempo, que nos emocionam, se na verdade, lá dentro de nós, não queremos ter uma vida transformada por ele.

Reuniões, momentos de cultos, estudos, louvor é sempre bom, mas não quando todas essas coisas são mecanismos para nos tornar mais aceitáveis para Deus.
A única coisa capaz de nos fazer aceitáveis a Deus é pagarmos um preço justo pelo nosso pecado, pois todos somos pecadores e sem distinção alguma, por outro lado, não temos condições de pagarmos esse preço. Mas a graça e o amor de Deus, levou seu Filho, Jesus Cristo, a pagar esse preço por mim e por você, sem nos exigir exatamente nada em troca.

Por isso, não adianta tentarmos parecer melhores e mais aceitáveis, pois já somos aceitos pela graça e não pelo nosso esforço pessoal. Esse é o engano da religião. 

Como diz Philip Yancey no seu livro "Maravilhosa Graça": 
"Não há nada que você possa fazer para Deus te amar mais, e não há nada que você possa fazer para Deus te amar menos"

Sandro Valérius

Nenhum comentário: